Frio

Estava frio, muito frio, ou era eu que assim sentia, tudo mais intenso, mais forte, mais pesado. Estava a espera de conseguir solucionar mais uma questão que me apoquenta. Uma que permanece demasiado tempo sem opção (ou sendo a opção tão óbvia pensamos que é fácil e não nos preocupamos com ela). Acordado, pois não podia adormecer, espero cada vez mais impaciente, quando, a campainha toca (vai começar a festa, penso eu)…Não sei se já comentei mas ontem foi um dia menos bom (uso esta expressão pois é a forma mais optimista de ver as coisas, podia ter dito que foi um dia mau). O dia foi aborrecido, trabalho desmotivado, almoço à pressa para ter tempo de pensar um pouco enquanto ouço as vacas, os picapaus, as rolas, os pardais, os cães e as cabras. Mas tudo me incomoda… está tudo a fazer tanto barulho (em qualquer outro dia o barulho era música) que a cabeça começa a doer.
Para me distrair viro um stalker e depois arrependo-me não é a solução para qualquer problema que se apresente daqui para a frente, seja ele qual for. Vou até às redes sociais, estes venenos da vida moderna que quando mal utilizados afastam as pessoas que estão mesmo ao nosso lado. O Google fotos prega uma partida… mostra uma foto de uma vida de alegria à qual desejo voltar (lágrima no olho eu sou assim). Mudo para o Instagram, salto para o Facebook, vejo o mensenger… nada serve para relaxar. Volto a trabalhar…
Tenho mais objetivos a cumprir um à mais de uma década… entro, pergunto, volte na quarta (merda)… Vou para a praia e procuro companhia, não atende (porra) de repente alguém responde, e eu que procuro com quem desabafar, passo a ser o receptor, e num instante a minha dor não é tão dor assim, #éaminhasomadetodososmedos que não é bem minha mas abraço-a sem abraçar (basta pedires que vou, não sei o que é isso, nem nunca saberei, mas tenho uma enorme empatia por ti)…
Continuo, regresso a casa, não aguento o frio, é em demasia, e eu com roupa de inverno.
Recebo uma chamada de alguém que é tão grande quanto o seu coração (lágrima no olho, sou assim)
Janto, à espera que toquem à campainha, estava tudo combinado, não vem, nunca mais vem e eu desisto de esperar, preparo para me deitar e toca a campainha (finalmente vamos lá começar a festa). Mal abro a desilusão espalhada no rosto rapidamente muda por ter a oportunidade de ajudar alguém (mais alguém). Não quem e lá vou eu estava escuro como breu, frio, já disse que estava frio?
De repente o menino que já é homem fala com o homem que quer ser criança e a conversa de sonhos e de esperanças avança pela noite dentro.
Deixei de sentir tanto frio naquele breve momento.
#éaminhasomadetodososmedos

Comentários